terça-feira, 2 de novembro de 2010

Site de leilão gera polêmica ao cobrar taxa para cada lance

Algumas pessoas não se detêm diante de nada na busca de uma boa pechincha - ainda que isso envolva pagar demais. Trata-se do paradoxal princípio que justifica o Swoopo, um site de internet que oferece uma proposta sedutora e controversa aos compradores online. O site, que foi criado na Alemanha e recentemente estendeu suas atividades aos Estados Unidos, vende eletrodomésticos, eletrônicos e outros produtos, em leilões que em geral propiciam vendas por uma fração do custo normal do produto no varejo.

Foto: The New York Times (Terra)
Este mês, um televisor Samsung de 40 polegadas novo, normalmente vendido por US$ 1,5 mil, saiu por US$ 67,92, e um refrigerador LG branco cujo preço costuma ser de US$ 1.498 foi vendido por excelentes US$ 77,90. É claro que existe um porém: o Swoopo cobra aos usuários US$ 0,60 por lance, e essas taxas logo começam a pesar no bolso.

As complicadas maquinações por trás do Swoopo e seus imitadores na web estão atraindo a atenção de críticos, segundo os quais esses serviços exploram as fraquezas humanas, como a tendência das pessoas a ignorar as pequenas somas que despendem quando estão em busca de descontos atraentes.

Os críticos também alegam que os participantes têm baixa chance de vitória nos leilões da Swoopo, nos quais concorrem contra rivais dos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha. E acrescentam que a Swoopo consegue lucro considerável em cada item, depois de computadas as taxas que recebe por lance.

Por exemplo, os participantes do leilão pelo refrigerador de US$ 1.498 gastaram um total cumulativo de US$ 2.337. O serviço informa que gasta boa parte dessa receita anunciando os leilões e atraindo usuários ao site; o Swoopo afirma ter recebido 2,5 milhões de visitantes em julho, o dobro do total do mês um ano antes, e que conta com 2,5 milhões de usuários registrados.

"Em termos agregados, os consumidores que tentam adquirir esses produtos estão pagando demais", diz o matemático Glen Whitney, antigo analista quantitativo do fundo de hedge Renaissance, que convidamos a avaliar o Swoopo. "A menos que o usuário tenha alguma vantagem contra os demais participantes, para conseguir que subsidiem sua compra, é um mau negócio. Um jogo para otários".

Executivos da Entertainment Shopping, a empresa alemã que opera o Swoopo, rebatem que os leilões são divertidos e representam um desafio mental, e ao mesmo tempo oferecem a possibilidade de uma excelente pechincha.

"Estamos combinando elementos de leilões online, jogos de habilidade e comércio eletrônico tradicional", disse Gunnar Piening, presidente-executivo do grupo. "O objetivo é trazer de volta ao comércio a diversão e o entusiasmo que desapareceram há muito".

O Swoopo reconheceu recentemente que um aspecto do jogo não é muito divertido: gastar dinheiro fazendo lances por produtos que irão para outras pessoas. No mês passado, o site começou a permitir que os usuários norte-americanos usem o valor dos lances como uma espécie de poupança para adquirir os produtos ao seu valor pleno. Os preços de varejo do Swoopo são ligeiramente superiores aos praticados por sites como a Amazon.com.

Piening diz que os leilões online perderam boa parte de sua graça. O mercado do eBay, no passado um pilar central do comércio eletrônico, está caindo há anos, em meio a queixas de fraude e à proliferação de software automatizado de leilão, que permite lances de último minuto para garantir a vitória.

O Swoopo evita fraudes ao vender os produtos sem intermediários, em muitos casos despachando-os diretamente do fabricante ao comprador. Os lances começam em zero, e os participantes só podem elevá-los em pequenos incrementos, como um, dois ou seis centavos de dólar. O Swoopo também oferece uma ferramenta para lances automatizados no site, o Bid Butler. Não existe possibilidade de interferir em um leilão no último momento, porque cada novo lance prorroga o prazo em alguns segundos.

Isso, incidentalmente, cria a impressão de que os leilões do Swoopo estão para acabar mas terminam durando horas a mais, uma característica do site que seus críticos definem como sutilmente enganosa.

Mesmo assim, a interpretação única que o Swoopo propicia para os leilões de Internet está subitamente na moda. No trimestre passado, a August Capital, uma empresa de capital para empreendimentos do Vale do Silício, investiu US$ 10 milhões no Swoopo para permitir sua expansão mundial.

Além de um número crescente de pequenos imitadores do serviço, com nomes como GoBid e Rockybid, outra empresa iniciante, a Project Fair Bid, conseguiu US$ 4,5 milhões junto a três grupos norte-americanos de capital para empreendimentos e planeja inaugurar seu site em março do ano que vem.

As pessoas que usam esses sites dizem que eles podem viciar, e misturam frustração e potenciais recompensas para quem conseguir combinar paciência, senso de oportunidade e talvez sorte.

No mês passado, Carolyn Parslow, gerente de um mercado em Trumbull, Ohio, venceu o leilão por um novo refrigerador no Swoopo, por US$ 9,66 - e mais US$ 61,80 gastos em lances. Mas ela avisa também que perdeu muito mais leilões do que venceu, e que não parece haver como ganhar vantagem persistente sobre os

Fonte: http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI3927635-EI4802,00-Site+de+leilao+gera+polemica+ao+cobrar+taxa+para+cada+lance.html